Visite um dos lugares mais interessantes de Roma: A Piazza di San Giovanni in Laterano

Turismo
remove_red_eye 133
date_range 05/07/2019
chat_bubble 0

Na minha última temporada em Roma aluguei um apartamento na Via Casilina, bairro San Giovanni, onde recebo a visita de algumas amigas.

Minha irmã, Vera Janete, a professora de artes que nos dá aula nas igrejas (aulas sobre pinturas, esculturas não de catecismo); a jornalista e escritora Themis Vianna (me incentivou a entrar nos museus usando a credencial de jornalista); a Letícia Müller (dirige nosso carro pelas ruas da cidade enquanto eu a oriento pelo GPS do celular. Sim. Não fosse assim, impossível enfrentar o tráfego de Roma).



Está conosco também a psicóloga Suerez Neme da Costa (apoio moral) e as irmãs Adelina Busatto e Albina Possebom. Tia Adelina, como a chamamos, gosta de cozinhar, o que faz com tanta habilidade que, tenho certeza, deixaria Bernini com água na boca. No final da tarde passamos no supermercado, onde eu compro duas garrafas de vinho Chianti e ela abastece a cozinha. À noite, enquanto a neve cai no lado de fora do nosso palazzo (pegamos a maior nevasca romana dos últimos vinte anos), comemos e bebemos do melhor.

Uma famiglia italiana.



Mesa farta e muita conversa.

A Piazza di San Giovanni in Laterano, no bairro San Giovanni, perto do nosso apartamento, é um dos lugares mais interessantes de Roma. Não ela em si, é até feia, mas por abrigar alguns dos prédios e monumentos mais importantes da história do cristianismo. A começar pela Catedral de Roma,cuja entrada é guarnecida por uma viatura do exército. Não fosse pouco os soldados armados com fuzis, ainda precisamos cruzar por um detector de metais.

A Arquibasílica Papai de São João de Latrão é a mais importante entre as cinco basílicas papais do mundo e a principal entre as quatro basílicas maiores de Roma. Uma das mais antigas igrejas no Ocidente foi por mil anos a mais importante do mundo. Hoje, mais importante do que ela só a Basílica de São Pedro, no Vaticano. Encomendada pelo imperador Constantino, ela foi à primeira basílica cristã da cidade e, até o fim do século XIV, local do culto do papa.

Ainda é a catedral oficial Roma.

E assento do papa como bispo de Roma.

Mistura de muitos estilos, dada a sua antiguidade, a igreja e um passeio pela história da arte. A começar pela enorme fachada neoclássica de Alessandra Galilei, sobre a qual estão quinze estátuas de sete metros de altura Cristo com São João Batista, São João Evangelista e os apóstolos. Do século XVIII, é um belo exemplo do classicismo surgido ao final do barroco As portas centrais, de bronze, foram trazidas da Cúria, no Fórum Romano.  São, portanto, da era pré-cristã.

O interior impressiona de cima a baixo: do espetacular teto folheado a ouro ao belo mosaico no piso do século XV Alarga nave central possui esculturas – com quase cinco metros de altura dos apóstolos. Apesar de ter passado por muitas reformas, o interior mantém a aparência definida por Francesco Borromini, o gênio barroco que a redecorou para jubileu de 1650.

A basílica é de Borromini.

Nessa, Bernini nem pisou.

O baldaquino gótico acima do altar contém relíquias das cabeças de São Pedro e São Paulo. Em frente ao altar, a escadaria desce ao confessio, onde está o túmulo renascentista do papa Martinho V Atrás do altar, parte da enorme abside é decorada com mosaicos do século IV.

Na primeira pilastra da nave da direita há um incompleto afresco de Giotto. Ao admirá-lo, volto o ouvido para a próxima pilastra, onde um monumento ao papa Silvestre II sua e range quando a morte de um papa é iminente. Estou ansioso, vá que aconteça um milagre?

Nada vejo, nada ouço.

0 Papa Francisco pode continuar tranqüilo.

Ao lado da Catedral está o Palazzo Laterano, onde funciona a diocese de Roma. Foi a residência do papa até a sede da Igreja ter sido transferida para o Vaticano, no século XIV. Curiosamente, em frente ao patazzo está o mais alto obelisco da cidade, impávida testemunha egípcia da época do Império Romano. Osíris decorando o quintal do papa.

Na outra esquina da praça está o Battistero, um fascinante prédio octogonal também mandado construir por Constantino. A mensagem enviada por Deus ao imperador, ajudando-o a vencer o exército inimigo, rendeu. Além da conversão de Constantino, resultou em muitas obras para a Santa Amada Igreja. O Battistero serviu de modelo para as igrejas cristãs e seus campanários nos séculos seguintes. Utilizado até hoje nas igrejas mais tradicionais.

Mas não é tudo. Há algo realmente mais importante para os cristãos. Na praça estão a Scala Santa e a Santa Sanctorum,trazidas para Roma por Santa Helena, mãe do imperador Constantino. A Scala Santa, escadaria pela qual Jesus subiu ao palácio de Poncio Pilatos, tem 28 degraus. Os peregrinos a sobem de joelhos, fazendo uma oração em cada um deles. No alto da escadaria, a Sancta Sanctorum é decorada com afrescos de grande beleza. O santuário foi por séculos a capela particular dos papas.

No bairro, entre a Piazza di San Giovanni a Piazza del Colosseo, ainda existe a magnífica Basílica di San Clemente,de uma importância histórica sem igual. Mas está ficando tarde, eu e Tia Adelina ainda precisamos ir ao supermercado.

Ela deseja comprar uma galinha, esta noite vamos comer galinha com arroz em Roma. Eu sempre me demoro na escolha dos vinhos, então deixaremos a Basílica de São Clemente para outro dia.

Deus pode esperar.

Não podemos nos descuidar do mundo terreno.



Posts relacionados