Um dia para elevar seu espírito em um dos locais mais visitados de Roma

Viagem
remove_red_eye 76
date_range 12/07/2019
chat_bubble 0

Nada de bermudas, minissaias ou ombros de fora. Menos ainda objetos perigosos na mochila, você os perderá no controle de raio X. Pior: você poderá viver uma situação embaraçosa. Se não acabar preso. Tá bom, exagerei, você não vai explodir a igreja. Eu sei, mas os guardas não sabem. E sério. Uma vez, esqueci esse detalhe e perdi um canivete suíço que havia anos me acompanhava.

Meu pequeno acessório, perto das enormes lanças da Guarda Suíça, de nada adiantaria; mas não teve jeito. O segurança confiscou e pronto. Eu poderia desistir de entrar na igreja, ir para casa e voltar no dia seguinte. Estava sozinho. Mas havia esperado três horas na fila, embaixo da chuva, não iria enfrentar tudo de novo. Encarei como penitência.



Não que eu tenha pecados.

Só paguei adiantado.



Tem isso: preparar-se para ficar horas e mais horas na fila seja qual for o dia da semana, do mês ou do ano, faça sol o caia chuva. Às vezes, precisa-se enfrentar a nevasca. Ao finai das manhãs de domingo, quando o papa surge na janelinha la em cima, quase imperceptível, a multidão vai ao delírio. Este ano, acompanhado da minha irmã Neca, fizemos uma selfie com ele ao fundo. Quando mostramos a foto, explicamos: aquele pontinho lá é o papa Francisco. Aquele lá, ó. Não tá vendo?

Um dos locais mais visitados de Roma, não é fácil conseguir um lugar na imensa Praça de São Pedro. Ainda tem um obelisco egípcio bem no meio para dificultar a vista. Imagina nada mais fora do lugar: um obelisco na cidadela dos papas. Mas vá, pois nada disso deve impedir o peregrino de visitar a Basílica di San Pietro; a maior, mais rica e espetacular igreja do planeta.

A não ser que você seja alguém de pouca fé.

Nesse caso, melhor ficar em casa.

As escavações feitas ao longo dos tempos revelaram diversos pilares da igreja original, encomendada pelo imperador Constantino no século TV, construída no local onde São Pedro foi sepultado. A ossada quase intacta de um homem grande e velho foi encontrada atrás de uma parede com pichações de peregrinos medievais. Apôs trinta anos de análises, Paulo VI declarou serem os restos mortais de São Pedro. Como o papa nunca erra, está esclarecida a questão.

Para os religiosos, tem mais. Na base de uma das quatro colunas que sustentam a cúpula, à direita de quem está de frente para o altar, há uma estátua de bronze de São Pedro do século X11I (mais velha que a própria basílica). Por ser tão reverenciada, os dedos do pé direito estão gastos, isso pêlos séculos de beijos e afagos. Toque o pé do santo, feche os olhos e faça um pedido. Mas cuidado com o que pedir.

Pode dar certo.

Às vezes, milagres acontecem. Se você não é religioso, mas apenas um peregrino cultural, também será contemplado com algo especial. No caso, três das maiores expressões artísticas de todos os tempos: o baldaquino, de Bernini, a Pietà e a cúpula da igreja, ambos de Michelangelo.

Nessa cidade de igrejas magníficas, São Pedro não poderia deixar por menos. Na primeira capela da nave do lado direito está a Pietà, talhada em mármore (tão perfeito que parece marfim) por Michelangelo quando ele tinha apenas 25 anos. Sua escultura mais conhecida, mostra Jesus morto, recém-tirado da cruz, nos braços de uma resignada Virgem Maria.

Em 1972, a imagem foi atacada a martelo por um maluco.

Restaurada, só a podemos ver atrás de um grosso vidro.

Dominando o centro da basílica está o baldaquino, obra-prima de Bernini. Sustentado por quatro colunas espiraladas, feitas com o bronze do Panteão, ele cobre o altar-mor acima do túmulo de São Pedro, lá embaixo, nas chamadas Grutas Valicanas. Elas foram criadas como cripta para os papas, onde podemos ver túmulos e sarcófagos de vários deles. O Sumo Pontífice é o único padre com permissão para celebrar missa no altar-mor.

Sobre o baldaquino está a vertiginosa cúpula da basílica, símbolo no horizonte de Roma, principal ícone do Vaticano, admirada por fiéis de todo o mundo católico; também obra de Michelangelo. Pode-se subir de elevador até a metade, depois enfrentar 320 degraus escada acima. A subida é longa e cansativa, não a recomendo se você tem medo de altura ou sofre de claustrofobia. Subi uma vez, aquelas coisas que se faz uma única vez na vida, quando se conhece algo novo.

Mas não desanime.

Há outras maneiras de você pagar seus pecados.

Para quem gosta de história, a igreja também não decepciona. Há um museu com relíquias sagradas, incluindo a Grux Vadcana, do século VI incrustada com pedras preciosas, presente do imperador Jusdniano II. Mais. O disco vermelho na entrada principal da igreja marca o lugar onde Carlos Magno e os demais imperadores do Sacro Império Romano-Germânico foram coroados pelo papa. A própria igreja tem uma história interessante.

No começo do século XVI, o famoso arquiteto Donato Bramante, mestre de Michelangelo e Rafael, apresentou o projeto para a construção de uma basílica baseada em uma cruz grega, com quatro braços iguais e uma grande cúpula central, a ser construída sobre a antiga basílica do século IV.

A original, como tudo em Roma, fora abandonada na Idade Média.

Culpa dos bárbaros.



Posts relacionados
Roma, o menor país do mundo alicerçado no poder papal
Roma, o menor país do mundo alicerçado no poder papal Roma é a cidade das colinas e a cidadela dos papas não fugiria à
Viajar pagando um valor baixo nas passagens
Viajar pagando um valor baixo nas passagens Esta postagens é uma extensão da postagens que começamos a falar
Passagens aéreas gratuitas: Entenda a promoção agora
Passagens aéreas gratuitas: Entenda a promoção agora Você está procurando por passagens aéreas barata no Brasil ou
Viagem dos sonhos para Praias do Sancho
Viagem dos sonhos para Praias do Sancho Praias do Sancho, dos Porcos e do Leão estão entre