Muitas vezes para preservar sua felicidade você deverá se desprender da sua história

Evolução
remove_red_eye 64
date_range 26/07/2019
chat_bubble 0

Sua “história” consiste em todos os dados que você reuniu sobre o que aconteceu com você em sua vida, e a realidade que você fabricou a respeito do tipo de pessoa que você e outras pessoas são e de como vocês todos se tornaram assim.

Por exemplo: levei um caldo quando era uma criança de mais ou menos oito anos de idade. Ainda não sabia nadar, por isso estava boiando e brincando com uma câmara de pneu quando uns valentões simplesmente decidiram me derrubar num lugar que não dava pé para mim.



Eles não sabiam que eu ainda não nadava, mas eu sabia disso e nunca me esqueci como gelei de medo e entrei em pânico, o coração disparado, enquanto me debatia e tentava levar ar para os pulmões. Por muitos anos, até já bem avançado na idade adulta, não me aproximei da água. Pelo menos, não além de onde meus pés pudessem tocar o fundo. Todos temos histórias como essa e todos temos um milhão delas.

Nossas histórias são feitas de incidentes grandes e pequenos, espalhados ao longo de uma existência. Nós nos tornamos a soma total desses embates — a não ser que não. A uma certa altura podemos abandonar uma determinada idéia que temos a respeito de nós mesmos e dos outros, porque percebemos que temos de fazer isso se desejamos levar a vida adiante.



A felicidade nunca vai ser encontrada em sua história, apenas nas suas mais novas e grandiosas decisões a respeito de você mesmo e dos outros. Isso pode significar ter de dizer a você, com relação a muitas coisas que aconteceram, que: “Aquilo foi antes’ e isto é agora. Nenhuma dessas coisas tem qualquer relação com o que está acontecendo neste momento.

Um menino foi criado por uma mãe autoritária, exigente e crítica, para quem nunca algo era bom o suficiente. Ele sai da casa da mãe aos 18 anos e leva sua vida adiante, e parece muito bem adaptado. Aos 23 anos ele se apaixona e casa.

Alguns meses depois sua esposa se depara com um comportamento dele que ela considera um pouco irritante. (Pode não ser nada tão grande. Pode ser algo bem pequeno, na verdade. Ele nunca tampa o tubo de pasta de dentes…) Ela menciona isso para ele e ele explode. Ei! Não me amole! Só”… não me amole” Ela olha para ele chocada. De onde vem isso?

Alguns meses depois sua esposa se depara com um comportamento dele que ela considera um pouco irritante. (Pode não ser nada tão grande. Pode ser algo bem pequeno, na verdade. Ele nunca tampa o tubo de pasta de dentes…) Ela menciona isso para ele e ele explode. Ei! Não me amole! Só”… não me amole” Ela olha para ele chocada. De onde vem isso?

Vem de sua mente reativa. No entanto, o convite da transformação é para que você parta de sua mente criativa. É para que você crie a você mesmo de uma maneira totalmente nova, de uma maneira que você gostaria de ser, não da maneira que você sempre foi. Embora você tenha bons motivos para ser do jeito que sempre foi.

É importante entender que seu subconsciente não sabe a diferença entre Antes e Agora. Ele guarda todos os dados num lugar onde o tempo não existe. É por isso que de repente você pode começar a suar frio num sonho por uma coisa que aconteceu há vinte anos. Seu subconsciente (que, a propósito controla a maior parte do seu corpo) não sabe que o que você está lembrando não está acontecendo.

Reagir é fazer exatamente o que a palavra sugere. “E agir novamente, como você fez antes”. Esse é um caminho certo para a infelicidade, porque a maior das felicidades é a criação, não a reação.

O que estou dizendo aqui é que a vida está convidando você a vivenciar a si mesmo e o momento que está vivendo em qualquer que seja o quando e onde de a maneira que você deseja vivenciar a si mesmo, em vez da maneira como você costumava vivenciar a si mesmo.

Você está convidado a desistir da sua identidade anterior, abandonar sua idéia anterior a respeito de você mesmo e fazer de conta que a vida começou novamente para você neste exalo momento, pelo menos no que diz respeito às decisões mais importantes em relação a quem você è e como você é. Em alguns círculos isso se chama nascer de novo.



Posts relacionados
Abrindo e Fechando a Janela da Tolerância
Abrindo e Fechando a Janela da Tolerância Quando as nossas janelas da tolerância estão abertas, passamos por
Como compreender e identificar seus padrões pessoais, estruturais e interpessoais
Como compreender e identificar seus padrões pessoais, estruturais e interpessoais Quanto a você? Se você quer recarregar o seu grupo, seja ela